CODESAL alerta forte chuva e deslizamentos de terra em Salvador.

A Codesal informou nessa sexta-feira que haverá uma possibilidade muito grande de forte chuva, na qual pode provocar deslizamentos de terra e alagamentos em vários bairros de Salvador.

Houve um debate para preparar os protocolos de enfrentamento ao período chuvoso em tempos de coronavírus na Codesal, saiba mais:

A adoção de novos protocolos de enfrentamento de situações de risco diante da crise na saúde pública provocada pela pandemia do coronavírus e da chegada do período de chuvas em Salvador foi debatida em reunião realizada hoje (08/04), na sede da Defesa Civil (Codesal).

O diretor geral da Codesal, Sosthenes Macêdo, o secretário de Articulação Comunitária e Prefeituras-Bairro, Luiz Galvão, o secretário municipal de Educação, Bruno Barral, a diretora de Vigilância da Saúde da SMS, Luiza Cortes Mendes e a chefe do Setor de Núcleos Comunitários e Voluntariado, Simone Café Simone Café encaminharam as discussões.

“Um dos cenários abordados foi a previsão meteorológica do Centro de Monitoramento e Alerta da Defesa Civil (Cemadec) de chuvas muito fortes a partir deste sábado, dia 11 de abril, devido a ação de uma frente fria, situação na qual devemos adotar medidas protetivas às famílias que, por acaso, tenham de deixar suas casas e fiquem aglomeradas em locais de acolhimento, devido ao risco da Covid 19”, explicou Sosthenes Macêdo.

Ele acrescentou que, seguindo os protocolos de segurança do Sistema Municipal de Proteção e Defesa Civil (SMPDC), em caso de chuvas intensas e ameças de deslizamento  de terra, famílias, que vivem em encostas, devem deixar seus imóveis e se dirigir para um local seguro, geralmente um escola do município, previamente estabelecida nos simulados realizados pela Codesal. Contudo, devido a pandemia, a aproximação de pessoas em um só lugar amplia o risco de contágio.

“Acho importante, nesse novo cenário de pandemia, pensar em todos os tipos de situação, sendo importante interagir com a Defesa Civil e Secretarias Municipal de Educação e Saúde, de modo a redefinir os protocolos evitando que as famílias não fiquem aglomeradas em caso de emergência climática”, disse o secretário Luiz Galvão.

AGLOMERAÇÃO

Segundo a chefe do setor de Núcleos Comunitários, Simone Café, uma das indicações foi a escolha de novos abrigos próximo às comunidades para que houvesse uma distribuição das famílias de modo a evitar concentração. “Acionaremos as Gerencias Regionais de Educação (GREs) para que colaborem na definição de novos espaços”, disse o secretário Bruno Barral.

A diretora de Vigilância da Secretaria Municipal da Saúde, Luiza Mendes, acentuou ser necessário limitar o número de indivíduos por sala de modo a obedecer as normas de segurança epidemiológica.

“Nesses locais é preciso separar as pessoas com sintomas, idosos e portadores de comorbidades (hipertensão, diabetes, gripadas etc.)”, destacou Luiza Mendes, acrescentando que a unidade de referência em saúde de cada área prestara o apoio que for necessário.

Participaram ainda da reunião Ana Bastos, PB Pau da Lima, Kelly Morais, PB Cajazeiras, João Carlos Amaral, PB Liberdade, Jean Sacramento, PB Cabula, Alan Muniz, PB Subúrbio, Ivana Souza e Télio Barroso, pela Sempre, Geisa Barreto, GR Subúrbio, Gustavo Dantas, GR Itapuã e Bruno Cardoso, GR Orla.

Fonte: CODESAL

Arte por: AMUVICA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *