Os casos de dengue e chikungunya aumentam assustadoramente no bairro;

Os primeiros meses de 2020 foram os mais difíceis para o Brasil, com a chegada do CoronaVirus muitas pessoas estão tendo suas saúdes prejudicadas, podendo levar até a óbito. Porém, não podemos deixar de lado os outros problemas que assolam o pais, e principalmente Salvador.

Segundo dados do Jornal A Tarde:

Os casos de dengue na Bahia tiveram um aumento de 10,2%, no período de 29 de dezembro de 2019 a 6 de abril de 2020, comparando com igual período do ano anterior. Foram notificados 16.570 casos prováveis da doença neste ano, contra 15.023, no ano passado. Ao todo, 308 municípios do estado registraram notificação e não há mortes por dengue. Somente em Salvador, foram 2.947 casos da doença. Também no mesmo período, os casos prováveis de zika em todo o estado foram de 694 (em 2020) ante 564 (2019) – aumento de 23%.

 

Obtivemos informações de vários moradores da Vila Canária reclamando do alto número da quantidade de mosquitos em suas residências, oque levou a ter alta taxa de casos de zika e dengue.

Uma agente da zoonoses entrou em contato com a AMUVICA informando o numero de casos que está tendo na região da Vila Canária, e está um número muito assustador, não só pelo fato que a própria doença leva a morte mas também pelo fato que a Zika e Dengue pode colaborar com o CoronaVirus á levar a uma pessoa saudável á óbito.

Segundo a agente da Zoonose em todas as ruas sem exceção do bairro da Vila Canária, já teve casos de vítimas do mosquito ou até lugares onde o mosquito pode se reproduzir.

Segundo ela: O numero de casos de focos e de pessoas com a doença no bairro está muito grande, tivemos um chamado para um possível foco em uma casa, e após esta casa fomos visitar todas as casas da rua, e de 20 casas, 19 tinham focos da dengue.

Precisamos lembrar que é um vírus muito preocupante pois o período entre a picada e a doença, chamado período de incubação, varia de três a 12 dias. Embora os sintomas sejam leves e muitas vezes sequer percebidos – podendo haver ou não febre, dores no corpo ou na cabeça, conjuntivite e manchas na pele – ele causa grande preocupação pelo risco de microcefalia quando a infecção acontece em grávidas.

Outros eventos graves também associados ao Zika incluem a Síndrome de Guillain Barré, uma doença autoimune rara. Ela é caracterizada pela perda de força muscular, que, nos casos mais graves, pode causar dificuldade para respirar, sendo necessário tratamento em Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

 

Como evitar a dengue e o zika vírus?

  • Elimine a água acumulada: evite qualquer acúmulo de água parada, esteja ela limpa ou não. Especialmente depois da chuva, procure e elimine qualquer água acumulada em recipientes como embalagens, copos, garrafas, vasos, latões, sacos, etc.
  • Cuidado com a caixa de água: mantenha sua caixa sempre fechada com a tampa apropriada. Faça uma limpeza de manutenção regularmente no local.
  • Atenção aos vasos das plantas: coloque areia nos pratinhos das plantas e use um pouco de cloro para prevenir as larvas do mosquito da dengue.
  • Evite plantas aquáticas: evite cultivar plantas aquáticas durante o verão. Se você já tem uma, troque a água com frequência e lave o vaso com Vim pelo menos uma vez por semana.
  • Use telas protetoras: se possível, coloque telas protetoras nas suas janelas e mosqueteiros ao redor da cama, especialmente de bebês e crianças.
  • Guarde garrafas e copos virados para baixo: guarde recipientes que possam acumular água sempre virados para baixo.
  • Cuidado com a água dos animais: troque a água dos animais com frequência e escove bem os recipientes sempre que trocá-la.
  • Não jogue lixo em terrenos baldios: vede seu lixo em sacos bem fechados e não jogue lixo em terrenos abandonados. Lembre-se também de manter os latões de lixo devidamente fechados.
  • Cuidado com lajes e calhas: retire folhas e qualquer outro tipo de sujeira que possa impedir que a água escorra pelas calhas e remova a água da chuva acumulada sobre a laje.
  • Atenção aos pneus: guarde pneus em locais cobertos seguros da chuva e faça furos para permitir que água escorra por eles. Se não for mais usá-los, entregue-os ao serviço de limpeza pública.
  • Entre em contato com agentes de saúde: sempre que você encontrar algum possível foco de dengue num terreno abandonado, ou mesmo no seu vizinho, entre em contato com um agente de saúde para que ele tome as medidas necessárias para eliminar os focos de criação do mosquito.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *